“Crise”, por Maria Augusta Ribeiro

Crise

A face do silêncio é paisagem
Arde em branco geada nos telhados
Chegam da vida os ecos abortados
Musgo rasteiro fino e instalado
Há carrilhões soando pelos ares
Dão-nos tudo na boca dos olhares
Não nos deixando esquecer
Mundos e fundos…
Quem se preze resiste
E constrói seus mundos
Criando a utopia pessoal
Só fica do passado
Remorso ou saudade vida residual
Que nos mantém presentes
Nos actos reticentes
Invernais
Quando nos deixareis dormir adormecer
Euros Obama Alzheimer e Natais?

Maria Augusta Ribeiro

Thomas Will fotografia- CRISE
Thomas Will fotografia

Maria Augusta Ribeiro é uma poeta portuguesa residente em Mirandela.

Possui 4 livros editados:

– Suavidade;

– Litoral do Sonho;

– Diário de uma flor – ganhador do 1º prêmio Nacional do SNI de manuscritos;

– Passos e Laços.

Maria Augusta Ribeiro

Isso é poesia!

Compartilhe!

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS