Histórias reais de crianças enviadas pelo correio

Em 1913, crianças foram enviadas pelo correio. Com selos colados às suas roupas, as crianças iam de  trem para os seus destinos, acompanhadas por carteiros. Na época, um jornal informou que pelo custo de cinqüenta e três centavos era possível que pais enviassem seus filhos para os avós para uma visita familiar, por exemplo.

Como as notícias e fotos apareceram em todo o país, não demorou muito para que surgisse uma lei  ilegal proibindo o envio  de crianças através do correio.

capa correio
Em 1913, crianças foram enviadas pelo correio
May-Pierstoff1-195x300
May Pierstorff foi enviada via Correios pelo pai

A garotinha americana May Pierstorff foi enviada via Correios pelo pai, em uma história tão inacreditável que acabou virando um livro infantil. A menina de cinco anos estava dentro do limite de peso para encomendas no período e, por falta de regras específicas, os funcionários aceitaram transportá-la com as outras correspondências no trem dos Correios, em 1914. O “pacote”, cujo envio custou U$ 0,15, nos valores da época, chegou são e salvo à casa da avó.

 O caso é famoso, mas, surpreendentemente, May não foi a primeira criança transportada como encomenda pelos Correios dos EUA. Um bebê de 5 quilos foi despachado algumas semanas antes, no estado de Ohio. O envio também custou U$ 0,15, e os pais ainda fizeram um seguro, no valor de U$ 50,00, pela “mercadoria”. Alguns dias depois, uma menina, filha do casal Savis, foi enviada pelos Correios na Pensilvânia (EUA).

Mailling-May

Antes que a moda se consagrasse, os Correios dos EUA editaram uma norma proibindo o transporte de pessoas. Em 1915, o envio de crianças por encomenda foi definitivamente proibido.

Fontes: Blog Correios, Saving Lincoln

Achou essa informação interessante? Compartilhe!

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS