Como você vem se relacionamento consigo mesmo?

Textos que abordam relações amorosas têm sempre um apelo a mais. Trazem aquilo que precisamos saber para os novos engates, dicas de como se comportar, como lidar com determinadas pessoas, como agir e não agir, tem também um “quê” de consolo e referência para aprender e entender mais sobre a arte de se relacionar…

Mas neste texto em especial eu não vou escrever nada do tipo “encontre alguém que…” ou “você deve amar alguém com essas qualidades.” Não! Pelo menos neste momento o trato aqui será do relacionamento de você com você mesmo. Sim! De você com a sua melhor companhia, porque no fim a vida é mesmo uma jornada solitária marcada por pessoas que vem e vão e por isso também a necessidade de cuidar bem de si.

E ninguém deveria ter medo de ficar sozinho. Na verdade, é muito bom marcar um encontro consigo mesmo, ainda mais e principalmente depois de um término de relacionamento.

O que acontece na maioria das vezes, é um depósito além da medida de expectativas e de satisfação da felicidade no parceiro. Há uma entrega absoluta da própria vida na relação como se não houvesse nada além dela para ser feliz. E quando ocorre o rompimento do casal, há uma tremenda sensação de vazio, uma falta profunda de algo como se tivesse acabado de perder um membro ou órgão vital. E no fim, ficam duas perdas: do ser amado e da própria pessoa que se doou o tempo inteiro sem ao menos ter a chance de cuidar de si e de se resgatar durante a relação.

É verdade que viver uma relação amorosa transforma dois seres humanos, um fenômeno acontece. Sem relacionamento o ser é uma pessoa, na relação se transforma em outra. As relações são criadas pelo homem, que por sua vez cria o ser humano.

Porém o amor deve ser como o ar que respiramos. Nossa qualidade, algo natural e sem esforço. Algo que já nos pertence e que não haveria necessidade de buscar aquilo que já existe em nós em outras pessoas. Não dá pra depender apenas das relações afetivas para sentir amor. Não depender tanto do objeto amado é tão importante quanto se nutrir de amor.

Claro que ser amado é delicioso e essencial. Não dá para amar sozinho, mas o que quero dizer neste texto é da importância de se relacionar consigo em todos os momentos da vida.

E mesmo vivenciando uma relação amorosa, é importante cada um preservar a sua individualidade, se amar, se gostar e ainda assim curtir a própria companhia. O encontro consigo mesmo te coloca em estado de abundância permanente e não faz do outro um “step” para preenchimentos. O outro será sempre uma grata surpresa. Um algo a mais para se ter na vida.

E após um término é importante dar tempo ao tempo. Marcar este encontro consigo para regeneração e autocuidado. Fazer aquela viagem que tanto deseja, programar o futuro, tirar os sonhos da gaveta e os realizar. Canalizar energia para as realizações pessoais. Satisfazer o ser!

Não estou dizendo para a pessoa se isolar do mundo, mas para ter consigo uma linda e agradável companhia, daquelas de quando chegar o final de semana ter a chance de se curtir. Comprar aquela garrafa de vinho, colocar aquele pijaminha de algodão e ficar apenas consigo e seu universo, sem provações e satisfações a ninguém. Uma liberdade sem medidas. Sem necessitar se perder numa multidão para fugir de si. A solitude é uma bênção quando entendemos a sua importância. Ela é importante até mesmo quando somos um casal. Ter bons momentos sozinho não deveria ser algo a se estranhar muito menos de não querer. É importante se satisfazer na solitude, em todos os momentos da vida.

E quando estamos bem conosco e nos colocamos para jogo, para novas apostas de romance, parece que o universo nos guia. Quando estamos bem e em paz com nossos corações, magnetizamos pessoas fabulosas em nosso caminho.

Por isso é importante se manter elevado, com uma boa autoestima para atrair pessoas de qualidade, que cheguem para acrescentar e somar à nossa companhia. Quando nos amamos, naturalmente atraímos boas pessoas e temos uma maior noção de quem sim, quem não e quem nunca em nosso espaço sagrado.

Não tenha medo de ficar sozinho, não é o fim do mundo. Na verdade, vamos partir dessa vida sozinho então, aproveite a viagem. Divirta-se, ame-se, ame e se for pra ter alguém que seja pra somar e não subtrair. No mais viva bem sem medo de ser feliz com você.

Imagem de capa: lithian/shutterstock

COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



Anieli Talon

É jornalista, atriz, locutora, dubladora e tem a comunicação como aliada. Escritora por natureza, tem mania de preencher folhas brancas com textos contagiados por suas inspirações .


COMENTÁRIOS