Capulana, um lindo poema da escritora moçambicana Énia Lipanga

Capulana

A semelhança dos teus traços de mamana
Que coberta de uma humilde capulana
Menina de cores d`Africa
Onde os paços que perfumam becos
Esbanjam beleza
Mucume disfarçado em natureza

Capulana,
Enrolando a moldura de curvas moçambicanas
Cobrindo as fofocas das mamanas
Que semeiam simpatia da nossa terra

Valorizando a postura
E criando sedução aos olhos da cintura
Capulanizando gostos
És de forma delicada enrolada em cérebros
Que moldam rostos

Viva, pois esta viva11313153_1670940379808904_8712910803278106295_o (1)
De cor aos amantes
Mais vida, aos amores
Deixa e tape as colantes
E seduza nossos senhores

Assim como a cultura quando cose
Africanize as europeias de Moz
De como espelho as cocuanas
Que são fieis a marrabenta
E ignoram, o semba
Que valorizam suas tradições e
criam de volta da fogueira suas canções

Por baixo do que cobras
Há fogo,
Fogo que arde
Mulheres lindas, moçambicanas obras de arte
Que acolhem vida, vinda de qualquer parte

Capulana, capulana,
Siga todas a fulanas que te ti se abstêm
Capulana, capulana
Ame todas as fulanas
Que de ti são reféns

Énia Stela Lipanga

Foto de capa da matéria © Werner Puntigam

 

Énia Lipanga

11015937_1624523844450558_4846765189252912652_nÉnia Lipanga é uma repórter, editora e poetisa moçambicana que começou a escrever há sensivelmente 10 anos, sendo que profissionalmente há oito. Com duas obras escritas, nomeadamente, “Orgia no Mercado Janete” e “Vida de Moçambique, que pretende lançar no ano em curso, 2015.
Enia Lipanga no Facebook

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS