Beleza e grandeza na lentidão em silêncio

Por Lourival Antonio Cristofoletti

Duas atitudes internas que comandam ações com naturais predicados mostram-se representativas na captação de sinais que nos encorajam a refletir sobre a própria existência: abre-se espaço para se pensar na lentidão tendo como companhia o silêncio.

Quando se fala da lentidão está se abordando a permissão e o convite a um olhar mais calmo para si, buscando captar emblemáticos sinais e mensagens esclarecedoras que o Imponderável e a Natureza lhe sussurram – sim, eles não gostam de gritar – a todo instante.

Mostra-se necessário desprendimento e estar atento a harmonizações para entrar em sintonia com a desaceleração: romper a inércia da agitação para transitar na calma da apreensão: são maneiras delicadas de esvaziar-se um pouco , estabelecer sintonias, buscar compreender-se e aceitar-se, compreender melhor as coisas.

Curiosa lógica da sociedade, que exige ação contínua e comunicação efetiva em tempo real e integral, em um alinhamento com a nova realidade tecnológica que ampara, vigia, cobra e angustia, para um pretenso ajuste às exigências do mercado. Há quem tenha dificuldade para ficar em silêncio, nem que seja por alguns instantes, pois o silêncio propicia que se ouça a voz interna, e isto é algo que se teme: “Não me deixem sozinho comigo: não vai ser bom”.

Mesmo no estresse do dia-a-dia caber reservar disponibilidade interior e prudente tempo para perceber as novidades e observar despreocupadamente ao redor. Entrar em sintonia com a lentidão interna é perceber a sua própria existência, as chegadas e partidas, os ritos de passagem, as mudanças das estações interiores.

Estabelecer uma convivência consigo é se permitir enveredar pelo silêncio, virtude que nos conecta com as emoções, que nos alimenta, nos supre em momentos inquietos. Descobrir maneiras de fazer do silêncio uma necessidade, um alimento. Quando a China invadiu o Tibet, há mais de 50 anos, e o som alto dos carros dos invasores apregoava as virtudes do regime do novo governo, o Dalai Lama disse: ”Roubaram-nos o que tínhamos de mais precioso: o silêncio”.

Surgem expectativas para quem ouse reconceituar o tempo e limitar os ruídos: são provas do desejo de reaprender lições sobre leveza na existência. “Como é importante o reaprendizado da lentidão! O sonho é que, um dia, a humanidade descubra, esse luxo inaudito: a lentidão no meio do silêncio!”, disse Denis de Rougemont (1906-1985), escritor e ambientalista suíço, crítico, já à época, da submissão humana à tecnologia.

Os convites para desfrutar de oportunidades de revisitação estão formulados e respondem a quem lhes acenar: basta querer neles prestar atenção. Quem resolver aderir poderá entender que a busca de alguma paz interior será descompromissado requisito; o recolhimento, exercício de virtude; o silêncio, preciosa moeda de troca com a verdade interior; a lentidão, oportunidade de sintonia com o seu tempo, o seu espaço, a sua maneira de saber viver.

(a partir de texto de Luiz G. A. de Sant´anna)

Lourival Antonio Cristofoletti, colunista Conti outra

Anne Beringmeier
Fotografia: Anne Beringmeier

LOURIVAL  ANTONIO CRISTOFOLETTI

LAC - Close - DSC0 1760Paulista de Rio Claro e residente em Vitória/ES. É mestre em Administração pela UnB – Universidade de Brasília, Analista Organizacional e Consultor em Recursos Humanos. Atualmente atua como professor na Graduação e MBA na FAESA – Faculdades Integradas Espírito-Santenses; Instrutor na UFES – Universidade Federal do ES e na ESESP– Escola de Governo do ES.

Livro publicado: COMPORTAMENTO: INQUIETAÇÕES & PONDERAÇÕES
Livraria Logos (vendas pelo site)

E-mail de contato: : lourival.cristof@uol.com.br
No Facebook: Lourival Antonio Cristofoletti No Instagram: lourivalcristofoletti

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS