A árvore das mil cores

Mistérios da natureza… ou será que Deus despejou na árvore os restos de tinta que sobraram do paraíso?!

À primeira vista pode parecer que a árvore que ilustra este artigo tenha sido alvo de alguns grafiteiros. Nada está mais longe da realidade, porque a variedade de cores que apresenta o seu tronco é totalmente natural. Esta curiosa árvore pertence à espécie “Eucalyptus deglupta”. A sua característica mais marcante é precisamente a coloração vistosa do seu tronco, que o levou a ganhar o apelido de “Eucalipto Arco-íris”.

10258676_690329767683108_758275578075576306_n

A característica peculiar desta espécie ocorre devido à forma como elas crescem dentro da sua própria casca. A mudança ocorre, em etapas, ao longo do ano, de modo que, com o decorrer do tempo o tronco verde vai escurecendo, para dar lugar a tons de azul, roxo, castanho, laranja, rosa e ocre. Na verdade, o nome da espécie “, deglupta” deriva de uma palavra latina que descreve o processo da “muda” em função da separação da casca. É uma espécie nativa do sul das Filipinas, Indonésia e Nova Guiné, e é uma das duas únicas espécies de eucalipto da Austrália.
Hoje em dia, podem ser encontrados exemplares em várias regiões tropicais, como Porto Rico, porque cresce muito rapidamente em terreno ensolarada, húmido e com boa drenagem. Em condições ideais, pode crescer até três metros por ano. Isto fez com que o seu cultivo, assim como de outras espécies de eucalipto, seja muito explorado pelas indústria de pasta para papel. É claro que a cor invulgar do seu tronco fez deste eucalipto uma árvore ornamental muito apreciada em jardinagem, dando aos eucaliptais desta espécie um ambiente de “floresta encantada”, cenário de um conto de fadas.

198236_522788181065889_1224650264_n

Fonte: Networkedblogs

Gostou? Compartilhe!

 

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS