Aos talentos perdidos

Por Marcela Picanço

Existem algumas pessoas que se esquecem durante a vida. Não completamente ao ponto de não gostarem delas mesmas, mas de esquecer o que elas realmente querem ser. Elas podem e devem mudar de opinião e de sonhos várias vezes, mas não abandoná-los por insegurança. Ser o tipo de pessoa que se esquece é quando colocamos aquele sonho que almejamos trancado tão lá no fundo, que não nos lembramos mais que ele existe. Mas ele não desaparece. Ele vem à tona justamente na pior hora. Ou não. Às vezes, com sorte, ele pode aparecer na hora certa de mudar, de chutar o balde e resolvermos ser aquilo que sempre quisermos ser.

TALENTOS
Fotografia Hannes Kilian

Hoje as pessoas buscam motivações voltadas apenas para o dinheiro. E eu não julgo as pessoas que querem ter bastante dinheiro, para nunca ter dor de cabeça na hora de pagar as contas, viajar quando e por quanto tempo quiserem. O problema é que nessa vida, uma coisa vai se sobrepondo a outra e, o que parecia sonho, passa a ser um bem descartável que não leva a realização pessoal. Por isso, todo mundo parece sempre tão frustrado com tudo. Estão sempre reclamando do que são, do que fazem e do que poderiam ter feito. E o problema é que, quando essas pessoas percebem que não estão no caminho que gostariam, quando o seu sonho volta, nem sempre elas têm coragem de encará-lo. Sempre estão muito velhas, muito cansadas, muito acomodadas para mudar e seguir em frente. Elas estão sempre com medo de que não dê certo. Mas isso não é covardia, é apenas humano assim como é humana a capacidade de mudança e adaptação.  Por isso, eu acho que por mais difícil que seja, mudar por si mesmo, para se sentir melhor nunca é desperdício de nada, muito menos de tempo.

Existem tantos, mas tantos talentos perdidos por aí que não somos nem capazes de imaginar. Se todos fizessem o que gostam como profissão ou como hobby, o mundo seria mais feliz. E com certeza existiriam ainda todos os empregos. O que muitos chamariam de loucura ou idealismo, na verdade, pode ser o mais belo exemplo de sanidade.

Se o que impede a mudança é o medo de falhar e sofrer, lembrem-se que o sofrimento é inevitável. Então, que soframos seguindo nossos sonhos.

Outra coisa que deixa qualquer pessoa insegura é o fato dela amar aquilo, mas não se achar boa o suficiente. Ou até se achar boa o suficiente, mas não o bastante para subir na vida com aquilo. Mas ninguém, nem a pessoa mais talentosa do mundo, sobe e fica no topo, se não houver muito treinamento, técnica, batalhação, humildade, perseverança e muita, mas muita vontade. Posso até estar enganada, mas acredito que quando se deseja muito algo e quando se faz o que ama existe a probabilidade de ser o melhor do mundo. E cá pra nós, não é uma probabilidade baixa.

COMPARTILHE
Marcela Picanço
Atriz, roteirista, formada em comunicação social e autora do Blog De Repente dá Certo. Pira em artes e tecnologia e acredita que as histórias são as coisas mais valiosas que temos.



COMENTÁRIOS