Amores dizem adeus, algumas vezes

“Não ser amado é apenas questão de pouca sorte, mas não ser capaz de amar é uma desgraça”. Albert Camus
O quanto somos capazes de amar? Será mesmo que existe uma forma de mensurar o amor ou ele simplesmente é delineado conforme os nossos anseios e quereres? Algumas pitadas de sorte se fazem necessárias? Indo mais afundo nessas questões, quem está descrevendo o calvário do coração no livro chamado destino?

Querendo congelar instantes, perpetua-se um viver agridoce, que nubla e finca pés e mãos num passado sem sentido. O passado está morto. É um sopro de outrora que não pode ser reconstruído de acordo com caprichos. Segundas chances não foram criadas para pavimentar o terreno gasto, ainda que seja confortável estar de pé sobre o conhecido.

Amores dizem adeus, algumas vezes. E nem por isso devem ser considerados menos. Porque é mais toda vez que o peito inflama, o carinho desabrocha e a vontade de querer bem supera condições sociais de certo e errado. O torto no amar é não ser capaz de ser.

A graça e a amplitude deste sentimento tão essencial aos instantes é a possibilidade de caminhar em novas direções. Sem medidas e regras, permitindo a sua transição para novos mares. Para faróis tempestuosos ou tranquilos, mas que signifiquem o permitir estar e não o obrigado a estar.

Pouca sorte, desgraça e outros agouros prevalecem para os presentes no até logo. Erroneamente, entendem o adeus como partida, mas no fundo, ele é o início.
Adeus, amores passados. É tempo de sorrir para o presente em diante.




COMENTÁRIOS