Advogado faz 4 perguntas para cliente que queria se divorciar e salva o casamento

O divórcio é um processo difícil e doloroso mesmo quando o casal tem completa convicção do que quer. Neste momento, o advogado sempre está presente e tem a função de entrar com o processo para formalizar judicial e civilmente a separação. Rafael Gonçalves, de São Sebastião do Paraíso, Minas Gerais, exerce a profissão e, ao se deparar com um caso especial de divórcio, resolveu adotar uma conduta diferente – mesmo correndo o risco de perder a cliente. O profissional relatou o caso através de seu perfil no Facebook.

Depois de atender uma cliente que solicitava o divórcio, Rafael postou uma foto em que aparece um papel timbrado de seu escritório. Na parte superior, uma lista de documentos que a mulher deveria levantar para dar entrada ao processo – um procedimento padrão. O quechama atenção, no entanto, é o conteúdo que vem em seguida, na parte de baixo.

Escritas à mão estão quatro perguntas íntimas sobre relacionamento da cliente. Entre elas, “Eu fiz tudo o que pude para salvar meu casamento?” e “Quantos momentos vocês superaram juntos?”.

De acordo com o advogado, neste caso, ele agiu de forma diferente porque, depois de conversar com a mulher, percebeu que ainda havia muito amor entre o casal. “Ouvi pacientemente a cliente sobre os motivos que a levavam ao divórcio, e como na maioria das ações desse tipo, era perceptível a ligação do casal e o amor que ainda existia entre as partes”, explicou.

Sabendo de seu papel profissional e não podendo dar nenhum tipo de conselho ou opinião, Rafael encontrou como saída fazer com que a cliente refletisse, com calma, sobre sua vida conjugal. “Se após responder e analisar a situação com calma, longe do turbilhão de informações que estava lhe passando pela cabeça naquele instante, ainda assim resolvesse se divorciar, que bastava me trazer a documentação e eu botaria um fim naquela história”, escreveu.

Na publicação, Rafael explica o motivo de cada uma das perguntas:

documentos-divorcio-2 (1)
RAFAEL GONÇALVES / FACEBOOK

Eu fiz tudo o que pude para salvar meu casamento?

“A maioria não faz absolutamente nada… e isso vai em desencontro com os motivos que te fizeram seguir até aqui. O divórcio deve ser a última opção, em todos os casos. Pense nos filhos, no convívio, nos primeiros meses do relacionamento. Se já passaram por tantos perrengues, por que se deixar abalar por essa situação. (Cada caso é um caso)”, comentou.

O divórcio é a melhor opção hoje?

“Pode até ser! Mas seria a melhor opção daqui a 2 semanas, quando a cabeça estiver fria, os problemas amenizarem e os motivos ficarem mais claros? Não faça nada de cabeça quente. Decisões precipitadas destroem histórias”, aconselhou.

Quem são minhas maiores influências hoje?

“Amigos? Parentes? Amantes? Tomar decisões influenciados por pessoas que não participam da sua rotina é um erro. Se a pessoa não tiver presunção de participar da sua vida pelo resto dela, não deve palpitar sobre isso. Filhos são uma boa influência nesse quesito. Ouça eles”, respondeu.

Quantos momentos vocês superaram juntos e como se conheceram?

“Pode até ser que nunca tenham passado por um momento assim, mas não custa relembrar as crises, brigas, separações do tempo de namoro e noivado. Se naquela época vocês conseguiram superar, por que não agora? Se conheceram por algum motivo e tenham certeza que nada na vida acontece por acaso”, reforçou.

Por fim, antes de dispensar a cliente, Rafael perguntou se ela almejava encontrar alguém que suprisse os espaços que o marido estava deixando em sua vida. Depois de receber uma resposta afirmativa, o advogado então disse que antes de trocar, é preciso tentar consertar. “Quando a grama do vizinho estiver mais verde, não necessitamos ir visitá-la, experimentá-la. Basta regar a nossa grama. Na vida é a mesma coisa”, acrescentou.

Para a surpresa do advogado, a atitude surtiu efeito. “Por incrível que pareça, o casal voltou hoje, devolveu minha anotação, dispensou os meus serviços e agradeceu os conselhos. Perdi a cliente, mas ganhei um casal de amigos”, finalizou.

Fonte indicada: Bolsa de mulher

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS