A pior mãe do mundo!

Por Adriane Sabroza

Quem, desde que seja mãe de uma criança entre três e dez anos de idade nunca ouviu esta frase?

E não adianta disfarçar, porque quando cada palavra dessa ressoa no seu ouvido, tem o peso de uma tonelada jogada sobre a sua cabeça.
Ninguém quer ser a pior mãe do mundo, não é mesmo?

A gente quer ser aquela mãe divertida, legal, pra quem os filhos contam tudo, com quem os amigos dos filhos gostam de estar, a famosa “melhor amiga” dos filhos. Mas, cá estou eu, na difícil tarefa de te lembrar uma coisinha: Você não é a melhor amiga do seu filho, pode até ser uma grande amiga, mas é antes de tudo, mãe.

E ser mãe abrange uma enorme gama de adjetivos que vão desde “a pessoa mais maravilhosa de todo o universo” até “a pior mãe do mundo”. Bem assim, desse jeito.

Porque ser mãe é plural. Mãe abraça, acolhe, ensina, briga, chora, castiga, fala demais, critica, reclama, acalma, corrige, suporta, carrega, amamenta, acarinha, resolve, diverte, faz chorar, diz sim, diz não… ufa! Mãe também cansa. E se cansa… E é por isso que ouvir “você é a pior mãe do mundo” machuca tanto. Afinal, como assim??? Depois de tudo o que eu faço? De todo o meu esforço para dar o meu melhor?

O que a gente esquece, no meio dessa loucura toda que é conciliar a maternidade com tudo o mais que acontece nas nossas vidas, é que ser “a pior mãe do mundo” é requisito fundamental para que sejamos uma boa mãe.

A pior mãe do mundo é aquela que dá limites, muito mais do que presentes. Ela se faz presente num mundo onde, cada vez mais, a educação dos filhos é delegada às escolas, babás ou mesmo ao computador.

A pior mãe do mundo sabe que o comportamento errado sempre gera punição, senão pelos pais, futuramente, pela vida, sem dúvida nenhuma.
A pior mãe do mundo sabe que ao impor limites não receberá elogios ou sorrisos, mas sabe que estes um dia chegarão aos filhos, no tempo correto.

A pior mãe do mundo não teme desagradar, até porque confia na relação de amor que estabelece, simplesmente porque ela está lá.
A pior mãe do mundo sabe a responsabilidade que é educar um filho pra vida e que a maternidade foi escolha sua e consciente, o que não há como negar em pleno século 21, não é mesmo?

A pior mãe do mundo, aliás, como todas as outras, deseja o melhor pro seu filho, só que ela não teme o desagrado, pois entendeu que seu papel não é o de um animador de festas, mas de alguém que também precisa ensinar sobre regras e as consequências por não cumpri-las.
A pior mãe do mundo é aquela que não teme dizer o não, pois sabe que o amor do filho também é incondicional e que mesmo diante dos maiores protestos e até tentativas de transgressão, pois isso faz parte do crescer, o amor ainda estará lá, do mesmo jeito de quando vocês se olharam pela primeira vez e quando ele ainda não sabia que a melhor e a pior mãe do mundo são exatamente a mesma pessoa.

COMPARTILHE
Adriane Sabroza
Psicoterapeuta por paixão e opção, mãe de três meninas lindas, minha maior realização e, nas horas vagas, aprendiz de escritora, sem nenhuma pretensão.



COMENTÁRIOS