A arte de incomodar…

…ou como irritar os outros na atualidade sem fazer esforço. Hoje isto não é nem um pouco difícil. Tenha conteúdo, pense, reflita, saiba o que você quer de sua vida, se dedique a sua carreira com esmero, seja gentil e cordial com as pessoas, tenha caridade e ideologia. Com estes atributos é certo que você vai irritar muitas pessoas especialmente os que são superficiais, os que não sabem o que querem da própria vida, os que se entregaram à preguiça, os acomodados, os que não querem ter educação ou o mínimo de cordialidade.

As ideias de bondade, de tolerância, liderança, de sucesso trouxeram em conjunto com o esoterismo e com a distorção do pensamento do cristianismo a convicção de que é possível agradar a tudo e todos, basta querer. Milhares de livros de autoajuda prometem as chaves para fazer amigos, influenciar pessoas, como ser popular, treinamentos e condicionamentos para que o mundo esteja a seus pés na hora desejada.

Tudo bem que só não funciona, muito embora isto alimente financeiramente e ideologicamente várias seitas, cursos, toda indústria do faz de conta que se pode ser super…

Lembro que incomodei muito meus colegas no ensino médio, quando aos 16 anos comecei a ler Freud. Também lembro do celeuma em família quando decidi pela psicologia. Lembro quanto incomodei colegas de profissão quando fui estudar a fundo saúde mental para tratar pessoas com depressão, e do quanto incomodei quando fui chefiar um serviço de desintoxicação de dependentes químicos dentro de uma penitenciária.

Agir incomoda, pensar diferente irrita, e ter certezas sobre a existência é para muitos inaceitável.

Por vivermos em uma sociedade de pensamento hegemônico, massificada, de educação bancária com o padrão da ruptura da criatividade torna-se natural e necessário ao bom convívio que as pessoas se nivelem por baixo. Para que ser diferente se posso ser um nada coletivo, prestar um concursinho e virar um burocrata?

Muita gente vai ficar irritada ao ler este artigo. Especialmente os que abandonaram na vida seu dom, sua vocação genuína e se entregaram.

Outros vão se sentir aliviados, especialmente os que têm sofrido de certa dose de discriminação por que têm seguido a sério sua vocação. A individuação é um caminho solitário, árido e difícil.

Individuar exige a ruptura com o senso comum, com a alienação, dedicação, persistência, obstinação.

E buscar o sentido de vida, individuar incomoda muito muita gente. A evolução acentua naturalmente as diferenças e isto traz muitas pedradas e o sentimento de exclusão e incômodo.

Faz parte do caminho. Basta ler a biografia dos inventores, das pessoas notáveis ou a dos religiosos que você encontra isto lá. Duas dicas fundamentais: procure ter autoconhecimento, saber exatamente quem você é e o que quer; circule, tente expandir as fronteiras dos relacionamentos, isto ajuda a sobreviver.

Jorge Antônio Monteiro de Lima, analista, pesquisador em saúde mental, psicólogo

Fonte indicada: Diário da Manhã

Publicado na CONTI outra com autorização do autor.

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS