7 sinais de que seu amor pode ter se tornado patológico

Por Maris V. Botari-Psicóloga Clínica

Imagem: bruniewska/shutterstock

Teoricamente, o amor é algo positivo, saudável que visa agregar qualidade de vida às pessoas, colaborando para o aumento do bem estar e da saúde física e mental.

É por meio deste sentimento que muitas coisas boas são construídas.

Infelizmente, em nome deste sentimento, muita destruição e tragédia ocorreram ao longo da história. Podemos citar como exemplo a Guerra de Tróia, que começou em função do fatídico amor de Paris pela bela Helena.

É necessário esclarecer, primeiramente o que se entende por amor doente (ou neurótico). Para Fromm (1973) O amor neurótico é caracterizado pelas “falsas concepções do amor” que levam os indivíduos a desenvolver comportamentos compulsivos e pensamentos obsessivos, bem como relações de dependência.

Este amor neurótico começa quando um indivíduo coloca “a vida nas mãos de alguém”, passando a se comportar em função do outro. Isto pode levar a um comprometimento da própria vida social, uma vez que em muitos casos, o indivíduo que “ama demais” tende a colocar a relação afetiva no centro de sua existência, como se nada mais existisse – lovecentrismo.

Para evitar esta armadilha é importante lembrar sempre que um relacionamento envolve mais de um indivíduo, com semelhanças e diferenças que devem ser respeitadas, portanto não é adequado deixar de viver de acordo com seus princípios para abraçar os princípios alheios. Isto não é amor, é dependência!

Esta dependência tem como desdobramentos: a ansiedade, o pensamento obsessivo e o ciúme patológico, que pode ser definido como manifestações desmedidas de controle sobre o outro.

É caracterizada por alguns pensamentos distorcidos e comportamentos obsessivos característicos:

Pensamentos:

  1. De controle ” Onde ele (ela) estará?”
  2. Leitura Mental: “Será que está pensando em mim”?;
  3. Insegurança: “Será que ele (ela) me ama de verdade?”;
  4. Onipotência: ” Tenho que fazer tudo o que posso para agradar”;
  5. Leitura mental: “ele (ela) deve estar sentindo minha falta”; “não ligou porque eu fiz algo errado”
  6. Catastrófico: ” eu morreria sem ele (ela)”;
  7. Generalização: “ele (ela) é tudo pra mim”, nunca mais vou amar ninguém assim”, “sem ele (ela) nada mais tem sentido”.
    etc.

Comportamentos:

  1. Vigiar o parceiro, aberta ou secretamente; seja fisicamente ou por meio das redes sociais;
  2. Exigir que o parceiro mantenha contato, mesmo quando isto é impossível;
  3. Mandar muitas mensagens via celular, mesmo sabendo que o outro não quer, ou não pode responder;
  4. Perder a capacidade de tomar iniciativas, delegando ao outro a tomada de decisões sobre sua própria vida;
  5. Mesmo quando a capacidade de tomada de decisões está preservada, estas são tomadas visando a proximidade e/ou o bem estar do outro;
  6. Abrir mão de seus interesses particulares para “viver somente para o outro”;
  7. Distorcer o que o parceiro (a parceira) fala e faz;

Se você, ou alguém que você conhece vive este tipo de relação, é o momento de buscar ajuda psicológica, para aprender a amar com mais segurança, em busca de uma relação mais saudável, que possa ser vivenciada com mais alegria e segurança.

Referências

FROMM, Erich. A arte de amar. São Paulo. Martins Fontes. 1971

FONTEPsicóloga Maris V. Botari
COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos.

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS