5 instintos ou “pressentimentos” que você não deve ignorar

Os instintos são definidos como um padrão inato e tipicamente fixo de comportamento que ocorre em animais em resposta a certos estímulos.

Nascemos com instintos que nos ajudam a sobreviver e, por mais que queiramos fingir que não os temos, há em nós características muito primitivas; por que tentar negar isso?

Reconhecer nosso lado mais primitivo não quer  dizer que não somos inteligentes ou que não somos capazes de pensamentos complexos e sim que, apesar de sermos muito inteligentes, nossa intelectualidade, muitas vezes, pode tentar nos enganar.

Instintivamente sabemos quando fugir de predadores; quando somos bebês sabemos como nos alimentar em nossas mães e sabemos quando algo só se sente internamente. O problema é quando o nosso sexto sentido grita um aviso e nós paramos para pensar.

Estamos sempre pensando! 

Os instintos são uma pontada profunda que nos puxa para algo que está enterrado profundamente dentro de nós, mas eles não são racionais. Nossos instintos não são os nossos pensamentos.

Vamos tentar encontrar o nosso caminho de volta para nossas habilidades básicas de sobrevivência. Aqui estão apenas alguns “toques” que não devemos ignorar.

1. Você está em perigo

Nós costumamos nos questionar se as nossas reações naturais são justificadas; eu estou realmente em perigo ou é minha mente que está exagerando? Se você sente que alguém está seguindo você, em vez de correr para a casa mais próxima a nossa mente assume o controle e começamos a pensar e racionalizar, “é claro que ninguém está me seguindo.” Se algo dentro de você está lhe dizendo que você está sendo seguido, não pense, aja! Isto pode ser aplicado a problemas de saúde também. Se o seu instinto lhe diz que algo está errado, ouça.

Dito isto, há alguns transtornos mentais que resultam em paranóia ou criam tendências hipocondríacas, mas não vamos confundir isso com o dito acima. É claro que existem exceções, mas em circunstâncias normais, precisamos ouvir os nossos instintos.

2. Confie em suas primeiras impressões

Alguma vez você já teve  um pressentimento de que havia algo errado com alguém, mesmo que aparentemente tudo parecesse estar em ordem? Por exemplo, aquele homem é um médico, o  outro é um professor. A senhorinha que conheceu é uma avó. Mais tarde, entretanto,  você ficou chocado ao descobrir que um avô estava abusando do neto. Por que você ficou tão chocado? Você já sabia que algo estava errado!

Confie em seus instintos.

Também precisamos lembrar que nossas mentes são complicadas; confiar em seu sexto sentido não significa que você deve andar por aí com suspeitas e vigiando todos que encontrar. Faça o que puder para se proteger das ações prejudiciais dos outros sem a fabricação de instintos que realmente não estão lá.

Outra crença equivocada e comum é que confiar em seus instintos é “julgar um livro pela capa.” Isso é significativamente diferente; seus instintos não formam uma opinião de alguém com base no estatuto social ou aparência. Muito pelo contrário, muitas vezes você pode perceber sinais de que há algo errado devido a reações de seu corpo que são emitidas muito antes de que seu cognitivo chegue a formar alguma avaliação do assunto.

3. Estou tomando as decisões corretas na minha vida?

O  seu sexto sentido pode estar te pedindo para reconsiderar onde você está na vida.  Os sinais podem ser mais sutis do que uma piscada, uma sirene vermelha ou um homem seguindo você, mas se você prestar atenção você verá que eles estão silenciosamente dizendo a você que algo está errado. Talvez você esteja indo contra o fluxo de onde você deveria ou gostaria de ir em sua carreira ou relacionamento. Muitas vezes vamos contra a corrente simplesmente porque não ouvimos nossos sinais.  O problema é que se nós não estamos no lugar certo – não seguimos nossos valores e necessidades -não somos felizes e chegamos até a adoecer.

Por que não ouvir?

4. Se você se sente confortável, apenas continue

Se é o seu trabalho, parceiro, uma decisão de vida, onde você vive ou quem são seus amigos, te fazem sentir confortável, não lute contra isso, sorria e relaxe para o fato de que você está exatamente onde deveria estar

Quando se trata de grandes decisões da vida, temos a tendência de pensar e  analisar demais. Isso só leva a confundir a situação e muitas vezes podemos tomar decisões baseadas em apenas em medos. Quando você se comporta assim, em vez de seguir o seu instinto inicial, você medita sobre as coisas e muitas vezes toma decisões baseadas no medo de tomar a decisão errada, o que, de fato, pode levá-lo a tomar a decisão errada.

5. Faça algo que te faça sentir confortável

Quando você está satisfeito com algo, quer seja o seu trabalho, um interesse musical, um hobbie ou esportes, é importante confiar em seus instistos inatos nessa área. Se você sabe que pode fazê-lo, confie no que sente e não em sua cabeça. Muitos sentimentos e sensações corretas são sufocadas pela nossa racionalidade. Olhe para os atletas; muitas vezes eles perdem totalmente seu rumo e concentração simplesmente porque sucumbem aos seus medos e inseguranças ao invés de ouvir suas habilidades.

Quem toca piano sabe que, em determinado momento, as notas fluem e a mente viaja longe do racional.

Ouvir sua voz interior pode dar algum trabalho. Afinal de contas, temos sido reprimidos de nosso estado natural há muito tempo.

A meditação é uma ótima ferramenta para reencontrar esse chamado.

“A prática da meditação lhe dará os hábitos para permitir espaço e clareza em sua vida para que você possa reconhecer seus instintos enterrados sob tudo o que pensar. Você pode melhor sua capacidade de escuta intrínseca praticando a meditação. Um estudo de 2005 descobriu que, em praticantes de meditação, as regiões do cérebro associadas com a sensibilidade, aos sinais do corpo e ao processamento sensorial tinham mais matéria cinzenta. Quanto maior a experiência de meditação, mais desenvolvidas são as regiões do cérebro. “~ Oprah.com

Vamos desfrutar de algum silêncio para que possamos ajudar essa pequena voz que está presa dentro de nós e ajudá-la a voltar à superfície. Podemos não ser capazes de provar, tocar, cheirar, ouvir ou ver o nosso sexto sentido, mas ele é o cerne de todos nós.

Por Tina Williamson, via life hack
Traduzido e adaptado por CONTI outra.
Do original 5 Gut Instincts You Don’t Want to Ignore

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS