4 dicas que eu queria NUNCA ter dado ao meu filho pequeno

Cada estágio da maternidade parece mais difícil do que o anterior, o que é estranho, porque, no momento, você não consegue imaginar nada mais difícil do que lidar com as experiências que você já está tendo. Quando um bebê nasce, tudo o que você quer é dormir. Quando eles são mais velhos, o que você quer é não ter que pegar todos os brinquedos que estão fora do alcance deles. Em seguida, você tem um novo conjunto de preocupações: eles estão comendo direitinho? Será que estão dormindo o suficiente? Será que estão dormindo demais? Eles estão acompanhando seus marcos de desenvolvimento? Qual é a melhor maneira de discipliná-los?

Com todas essas preocupações passando pela minha cabeça, eu tentei ser a melhor mãe possível para meu filho pequeno, mas há alguns conselhos e dicas que eu gostaria de nunca ter dado a ele. Aqui estão eles; aprenda com os meus erros.

4 dicas que eu queria NUNCA ter dado ao meu filho pequeno

1. “Pare de brincar com a comida!”

Às vezes, parecia que meu filho não comia nada. Eu encontrava biscoitos em sua bermuda, suco escorrendo pela camiseta e purê de ervilhas inexplicavelmente em suas sobrancelhas. Eu tinha certeza de que ele não estava comendo o suficiente, então eu colocava mais comida em seu prato e ela ia parar no chão ou em seu colo. Sabendo que ele não iria me ouvir, mas incapaz de me conter, eu ocasionalmente dizia exasperada para ele parar de brincar com a comida.

Ele não parava, é claro, e agora eu percebo que foi uma boa coisa ele não parar. Quando ele estava com fome o suficiente, ele comia, e ganhava peso em um andamento adequado. A hora das refeições nem sempre se trata de encher nosso filho de comida. Às vezes, trata-se de deixá-lo explorar os gostos, as texturas, cheiros e consequências. (Crianças odeiam ter que se limpar, mas elas descobrem que é uma consequência de brincar com a comida.) Ele também estava desenvolvendo suas habilidades motoras, aprendendo como funciona a gravidade, e entendendo causa e efeito. (Quanta força eu preciso fazer para esmagar esta ervilha?) Pare de se estressar com a bagunça, e deixe-o brincar.

2. “Você está bem, pare de chorar.”

Às vezes, meu filho chora pelas coisas mais bobas. Um macaco no zoológico ficou olhando para ele por muito tempo. A joaninha voou para longe. O controle remoto não cabia dentro do seu copo. Eu o confortava quando sua tristeza parecia ter um bom motivo, mas para essas coisas sem sentido eu não tinha muita paciência.

No entanto, quem era eu para saber o quão racionais essas coisas “bobas” eram aos olhos do meu filho? Aquele era um macaco enorme e assustador. Meu filho não sabia que o vidro iria impedir o macaco de chegar até ele. A joaninha era bonita, e ele nunca iria vê-la de novo. O controle remoto não estava seguindo as leis da natureza, será que o mundo estava prestes a acabar? Mesmo quando uma criança chora por coisas bobas, é melhor ter paciência e compaixão. Caso contrário, ela vai pensar que seus sentimentos não são importantes e vai colocar menos fé em nós no futuro. Dê importância a eles, é o que os adultos querem também, certo?

3. “Deixe a mamãe fazer isso por você.”

Claro, há muitas coisas que crianças não podem fazer por si mesmas, como escolher alimentos saudáveis ou lavar suas próprias roupas, mas isso não significa que temos que fazer tudo por elas. Muitas vezes eu estava com pressa, sem vontade de esperar um tempinho extra que meu filho levava para colocar seus sapatos ou atravessar o estacionamento. Mas o que estamos ensinando nossos filhos se nós nunca dermos a eles a oportunidade de tomar as suas próprias decisões?

Ao invés de automaticamente assumir o controle cada vez que há uma decisão a ser tomada, dê ao seu filho a oportunidade de decidir. Faça com que ele lhe ajude a escolher comidas saudáveis no supermercado, e depois dê-lhe uma chance de escolher quais dela ele gostaria de comer no almoço. Quando sujar a roupa, deixe que ele esteja com você enquanto esfrega a roupa com água para que saiba o que faz a sujeira ir embora. Eles nem sempre vão apreciar a oportunidade de tomar a decisão, mas permitir que eles exerçam sua independência vai ajudar a torná-los crianças e adultos mais confiantes.

4. “Pare de brincar com aquele rolo de papel higiênico e brinque com um desses brinquedos que a mamãe e o papai gastaram dinheiro para comprar para você.”

Isso parecia um refrão constante durante os anos de criança pequena do meu filho. Ele era muito mais interessado no potinho, nos móveis, nas espátulas e pesos de porta do que em todos os brinquedos que compramos para ele. Parecia um desperdício, e às vezes eu interrompia seu jogo com os utensílios domésticos tentando interessá-lo em algum brinquedo.

Olhando para trás, eu gostaria de não ter comprado tantos brinquedos. Ele gostava mais de bater com a colher no potinho e de sacudir o peso de porta do que de jogar bola, e não há problema nisso. Pediatras referem-se às crianças como “pequenos cientistas”, porque elas estão constantemente tentando descobrir como as coisas funcionam. Brincar é a sua forma de trabalho, e elas podem aprender muito ao fazer suas próprias experiências.

Mães sempre irão se preocupar se elas estão fazendo um bom trabalho, é o que as mães fazem. Mas tente relaxar de vez em quando e simplesmente observe. Seu filho pode aprender muito por conta própria, e ao ficar em silêncio e observá-lo, você pode aprender algo também.

Por Katie Nielsen

Traduzido e adaptado por Sarah Pierina do original 4 pieces of advice I wish I never gave my toddler.

Publicado originalmente por Família, um site sempre muito indicado!

Você achou esse conteúdo relevante?

Compartilhe!

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS