20 hábitos que podem destruir uma relação saudável

Escrevo, habitualmente, sobre relações tóxicas, doentias e abusivas, nas quais, quase sempre, está presente algum transtorno de personalidade. Quando se trata dessas relações, não há qualquer coisa a ser evitada a não ser a própria relação. A ordem é correr para longe e nunca mais olhar para trás.

Por outro lado, é um erro pensar que ter uma relação saudável significa ter uma relação sem problemas. Às vezes, estamos diante de alguém bacana, sem qualquer perturbação mental, com quem a relação é boa e flui bem, mas que tropeça diante de questões que, com amor e empatia pelo outro, é possível resolver facilmente.
Saiba algumas das coisas que você NÃO DEVE FAZER para evitar estragar uma relação saudável.

1. AMEAÇAR TERMINAR SEM TER REALMENTE A INTENÇÃO

Qualquer briga e lá vem a frase “isso aqui já era” ou”então vamos terminar”. Para alguém que ama de verdade, a ameaça do término é algo muito doloroso. Se você é aquele que tem o hábito de dizer isso em qualquer discussão, observe a reação da outra pessoa. Percebeu que machuca? Mas atenção! Se logo depois você age como se nunca tivesse dito isso, uma hora o medo do término deixa de existir e você se vê diante da seguinte resposta: “Quer terminar? Demorou!”, correndo risco de nunca mais ver a pessoa diante dos olhos.

2. EXIGIR ATENÇÃO OU DISCIPLINA DE FORMA EXAGERADA

É claro que desejamos parceiros atenciosos, mas não transforme essa necessidade num martírio para o outro. O excesso de cobrança (você não ligou quando disse que ia ligar, você não respondeu a mensagem na hora, você não fez exatamente como combinamos, etc ) pode acabar por sufocar e fazer com que você passe a ser visto como egoísta, que se comporta como se o dia do outro girasse em torno de si. Tente pensar na importância daquilo que tomou toda a atenção de seu par e sossegue.

3. IMPLICÂNCIA COM OS HOBBIES DO OUTRO

Quando se está numa relação é preciso saber equilibrar o tempo que dedicamos às pessoas que amamos e às atividades que nos dão prazer. Se seu par não sabe equilibrar, talvez você não esteja entre suas prioridades, então pense a respeito e decida se quer mesmo ocupar essa posição. Porém, seu par sabe equilibrar, dedicando tempo de qualidade também à você, sua implicância com os momentos de lazer do outro, pode desestimular a relação ou aniquilar identidade da pessoa amada. Ambas as coisas são mortais.

4. ESPERAR SEMPRE QUE O OUTRO PEÇA DESCULPAS

Numa relação saudável, não importa quem cometeu o deslize. É exatamente no momento em que erramos que precisamos de compreensão. Demonstre-a, não emburrando até que o outro se humilhe para você. Se a mancada não foi sua e não achar que deve pedir desculpas, saiba que, ainda assim, na maioria das vezes, um pouco de bom humor resolve.

5. EVITAR UM ASSUNTO DESAGRADÁVEL

Algumas vezes há questões que incomodam o parceiro sobremaneira, mas que você tenta a todo custo evitar discutir porque “é muito chato”. Talvez você não saiba, mas evitar um assunto que incomoda significa tirar a voz de quem você ama, e nada pode ser mais massacrante. Tem uma questão recorrente da qual quer sempre fugir? Encare-a de uma vez por todas, ouça o que o outro tem a dizer, diga o que pensa e, na medida do possível, encontrem ali um ponto final para a questão.

6. RISPIDEZ QUE NÃO TEM COM ESTRANHOS

Algumas pessoas, por excesso de liberdade, familiaridade ou confiança no amor do outro, passam a ser menos cuidadosas com o tom de voz usado com seu par. Em especial quando estão ocupados ou estressados, acham que não faz mal algum ser ríspido com o outro. Fazem isso porque têm a certeza de que serão compreendidos e perdoados. Essa rispidez pode fazer com que seu par entenda que algo mudou e que você não tem mais a preocupação de ser gentil como antes. Tenha cuidado com isso, pois, diante desse pensamento, seu par pode acabar se deparando com alguém que lhe seja gentil sempre, como você era na conquista e daí…

7. REAGIR DE FORMA EXAGERADA A CONTRATEMPOS

Pessoas que, diante de um atraso, um esquecimento ou qualquer coisa que as aborreça, têm uma explosão de fúria que só termina quando já disseram coisas que machucam o outro, podem destruir uma relação aos berros. Quando seu parceiro fizer algo irritante, conte até 10 e pense se realmente foi tão grave assim. Se foi, tenha uma conversa respeitosa e resolva com carinho. Se não foi, para que tanto drama? Relaxe!

8. MAU HUMOR

Tem gente que fica de mau humor porque acabou de acordar, porque é domingo à noite, porque o time perdeu ou porque tem um sobe e desce de emoções ao longo do dia. Isso faz com que o parceiro pise em ovos, levando-o a exaustão por não saber quando verá surgir no rosto do outro a sombra de que “o tempo vai fechar”. Se você tem problemas de humor, procure ajuda profissional. Seu parceiro não é obrigado a se adequar a mudanças injustificadas de humor o tempo todo.

9. IGNORAR POR COMPLETO HÁBITOS QUE INCOMODAM O PARCEIRO

Você é do tipo que deixa coisas espalhadas, toalha molhada na cama, esquece de dar descarga, e quando criticado está sempre se envolvendo em discussões com seu par? Tente, ao invés de brigar e acusar o outro de ser exagerado, olhar pelo seu ponto de vista e entender o porquê daquilo incomodar tanto. Compreendendo, você aprenderá a evitar essas condutas sem importância para você, mas desgastantes para o outro. Será que seu grande amor não vale um esforcinho?

10. NUNCA AJUDAR COM TAREFAS DA CASA

Num mundo moderno, no qual ambos trabalham, não há nada mais desgastante do que ter de cuidar de casa, roupa, filhos, carro e comida sozinho. Há parceiros que se recusam a ajudar porque nunca tiveram que ajudar na casa dos pais ou simplesmente porque não gostam dessas tarefas. Contudo, é preciso lembrar que o outro pode também não gostar dessas atividades, mas ainda assim realizá-las para o seu bem estar. Então, por que não retribuir?

11. ENTERRAR-SE NA ROTINA

O trabalho, as obrigações, os compromissos, o trânsito, tudo conspira para que vivamos na mais perfeita harmônia com a rotina. Espere. Não há nada de mau na rotina, pelo contrário, quase sempre traz aquela sensação de estabilidade que relações sólidas precisam. Quebrá-la, porém, é um ingrediente obrigatório para não matar a relação de tédio. Vez ou outra, invente uma viagem curta, uma noite fora, uma fuga de carro, um sorvete na esquina, uma lingerie nova, um bilhete no bolso, uma foto dos dois no painel do carro com um recadinho querido. Isso acorda a relação e aquece o coração. Já a falta desse movimento pode levar o outro a encontrar emoção em lugares onde você não esteja…

12. QUERER VIVER NO MESMO PADRÃO DOS OUTROS

Já vi lindas histórias de amor terminarem porque enquanto um está preocupado em construir algo juntos, o outro só quer saber de fazer viagens, frequentar restaurantes e vestir grifes simplesmnete porque os amigos têm esse padrão. Seu par pode até tentar manter isso para lhe agradar, mas, a menos que vocês sejam ricos, não vai demorar muito até que seu par passe a se sentir sozinho na construção do alicerce que garantirá conforto a vocês no futuro, além de esgotado e explorado. Quando chegar a esse ponto, não haverá nada que conserte a relação, pois o outro terá passado a lhe ver como alguém imaturo, vaidoso e irresponsável e, cá pra nós, quem quer viver a vida toda com alguém assim?

13. MESQUINHARIA

Não contramão do item anterior, parceiros mesquinhos também são cansativos e nos fazem sentir verdadeiros pedintes. Conheci uma moça que era obrigada a anotar todos os dias o consumo do relógio da luz e desligar a chave geral quando chegava a uma certa contagem. Um dia se cansou, fez as malas e deixou um bilhetinho grudado no relógio com um pacotinho de velas: “aqui está minha contribuição para que o consumo não fuja de controle, como fugiu nossa relação”. Ele nunca mais controlou o relógio, mas não adiantou: passou o resto dos anos no escuro da solidão. Nunca permitir ao parceiro que se dê um mimo, um jantar fora, uma troca de presentes ainda que simples ou submetê-los a racionamentos absurdos não é construir patrimônio familiar, é “pãodurice” e isso desvasta tanto quanto parceiros gastões.

14. NÃO DEMONSTRAR INTERESSE NOS ASSUNTOS DO OUTRO

Não há nada mais desagradável do que sentir como se estivéssemos falando sozinhos. Há bons parceiros que não são bons ouvintes quando o assunto não é do interesse ou conhecimento deles. Policie-se. Se seu parceiro quer dividir um fato, acontecimento ou ponto de vista com você, dê-lhe um pouco de atenção e participe. Se tem uma piada, não o constranja dizendo que não teve graça. Por 2 motivos: 1. Se fosse um amigo ou seu chefe, você seria todo ouvidos, ainda que o assunto fosse física quântica ou a piada do elefante que caiu na lama. 2. Se você não demonstrar interesse em seus assuntos, mais cedo ou mais tarde seu par encontrará alguém que demonstre…

15. NUNCA EXALTAR AS QUALIDADES OU FEITOS DO PAR DIANTE DOS OUTROS

Casais interessantes quase sempre são compostos por pessoas interessantíssimas. Assim como nos rasgamos em verbos e elogios para contar quanto um amigo é espetacular no que faz, fazer o mesmo com o parceiro pode ser um bálsamo e estímulo para a relação. A falta disso, pode fazer com que o outro não se sinta bom o suficiente para você. Isso pode deixá-lo sensível ao menor elogio recebido fora de casa e daí… Por exemplo, gosto de massagear o ego do meu parceiro contando aos amigos como ele defendeu um penalty indefensável num jogo decisivo de campeonato, pois isso o faz querer ser um goleiro cada dia melhor. Encontre algo incrível que seu parceiro realizou ou uma característica admirável sua e divida com os amigos na sua presença. Seu par se sentirá tão importante, validado e valorizado, que não se sentirá melhor em lugar nenhum do mundo que não seja ao seu lado.

16. NUNCA COMUNICAR SEUS SENTIMENTOS

Madre Teresa de Calcutá disse que a coisa mais importante é comunicar-se. Casais que não se comunicam, se tornam completos estranhos. Pior ainda, são casais que não comunicam seus sentimentos um para o outro, pois, além de tornarem-se estranhos, se tornam inseguros. E gente insegura pode acabar encontrando segurança em quem curta dizer o que sente… Se você é do tipo fechado, fique tranquilo. Não é preciso ficar se declarando como um poeta. Um simples “oi, sinto sua falta” durante o dia já faz milagres.

17. NUNCA ELOGIAR A BELEZA FÍSICA DO OUTRO

Algumas pessoas não têm o hábito de dizer que acha o par bonito, atraente, sedutor, forte, cheiroso, etc. Pensam dessa forma, mas nunca dizem. Pois saiba que deixar claro que acha seu par atraente o faz sentir-se desejado e, acredite, não há nada mais estimulante do que isso. Se sua cara-metade se sente desejada, sua autoestima e segurança aumentam, levando qualidade do sexo também vai às alturas. Ah, e não esqueça: se você não fizer isso, sempre aparecerá alguém que faz e aí…

18. DEIXAR A FAMÍLIA INTERFERIR NO DIA-A-DIA DO CASAL

Se temos familiares saudáveis, com certeza serão pessoas que querem o melhor para nós. Mas há uma linha muito tênue entre isso e o desrespeito à privacidade do casal. Há familiares que querem invadir a casa do outro com o pretexto de limpar, ver se precisam de algo, ajudar, etc. Há aqueles que querem dar palpite no carro que o casal vai escolher, como vão criar os filhos, onde vão morar e por aí vai. Aprenda a estabelecer limites aos seus entes queridos. Não é preciso ser rude, apenas deixe claro que já está grandinho e que certas decisões são, exclusivamente, do casal.

19. PERMITIR QUE FAMILIARES OU AMIGOS OFENDAM SEU PAR

Tem aquela sua irmã que não gosta do seu novo par, sua mãe que acha que ela não presta para você, seu pai que diz que ele tem cara de quem não vale nada, seu amigos que faz piadinhas. Muitas vezes, sem fundamento real, familiares e amigos se sentem na liberdade de falar coisas ofensivas e cortantes a respeito do seu par, sem qualquer cuidado ou questionamento se isso vai magoar você, apenas porque sentem que a posse sobre sua atenção está ameaçada pela presença da pessoa que você escolheu. Esse tipo de conduta deve ser cortada desde o primeiro episódio. Esclareça que essa é a pessoa que você escolheu e que exija respeito por ela. Não a deixe arrumando encrenca com total desconhecidos para poder se defender. Se você não souber se posicionar para preservar seu par diante de sua família e amigos, corre o risco do outro se sentir desrespeitado, exposto e abandonado por você diante deles. Se isso acontecer e seu par for alguém com amor prório, vai bater em retirada pela saída de emergência mais próxima.

20. FALTA DE APOIO MORAL

Não tem coisa pior do que buscar o colo do parceiro diante de uma frustração e não encontrar, ou ter o seu problema minimizado. Às vezes, seu par pode ter tido um péssimo dia, perdeu o celular, uma reunião importante, o emprego, a hora, bateu o carro ou está apenas num dia de melancolia. Em dias assim, não precisa dizer nada ou inventar a roda para resolver o problema do outro. Posso garantir que a única coisa que o outro realmente espera de você é: “Eu sei que seu dia foi ruim, mas eu estou aqui do seu lado e vamos superar ou encontrar juntos uma solução.” Pode ser que, só isso, já resolva 90% do problema.

COMPARTILHE
Lucy Rocha
Advogada, personal coach e fascinada pelo estudo de transtornos de personalidade, administra a página Relações Tóxicas, na qual dá dicas e apoio a pessoas que vivem, viveram ou sobreviveram a uma relação abusiva. Seu maior prazer é escrever reflexões sobre a vida e sobre o ser humano.



COMENTÁRIOS