15 desenhos sobre os perigos do amor

Amor. Alguns dizem que não há nada melhor do que isso. Talvez não. Mas, como todas as coisas boas na vida, esta exige um preço.

Existe uma linha bastante tênue entre romances com finais felizes e trágicos. É justamente essa questão que a artista americana Gypsie Raleigh desejou abordar em seus desenhos.

Gypsie é artista, poeta e dramaturga natural de Portland, nos EUA. Acerca de sua série de desenhos, ela comenta:

“Ás vezes, a vida me deixa sem palavras. Quando eu não consigo encontrar as palavras, eu tento encontrar uma imagem que pode falar em meu silêncio. Meus desenhos foram inspirados por tudo, desde a morte de pessoas próximas a mim, ansiedade, ou meu próprio coração quebrado. Virei-me para a arte, porque meus pais me criaram em um ambiente onde não havia nada melhor para fazer. Na época, eu estava apenas triste pelo fato de não ter amigos. Agora, é um modo de vida.”

Beirando a melancolia e a desilusão, a artista, por meio de seus desenhos, traça um paralelo interessante entre amor e morte. Essas tirinhas melancólicas e fastidiosas – com potencial de deprimir, refletir ou, dependendo do caso, alegrar – informam sobre assuntos do coração e alertam para a necessidade de se precaver contra possíveis amarguras decorrentes da inabilidade de gerenciamento emocional.

Poucas coisas na vida são mais surpreendentes do que o amor genuíno, e poucas coisas na vida são tão debilitantes do que a frustração desse amor. Seja por inocência exagerada, descuido negligente, expectativas irreais, esforços redundantes, falta de discernimento ou descompromisso com a realidade verdadeira, o amor pode ser tanto produto de felicidade quanto motivo de infelicidade.

Muitos se sentirão desgostosos ao visualizar esses desenhos, enquanto outros logo irão se lembrar de situações em que foram ludibriados no amor, ou, então, ludibriaram. Tirinhas como essas não foram produzidas para entristecer, mas para lembrar as pessoas de que histórias de amor nem sempre são contos de fadas.

Um dos desenhos, por exemplo, faz refletir que nenhum império construído com amor é indestrutível e, mesmo quando seus “guardiões” reforçam a defesa do local contra forças exteriores, podem se esquecer da existência de ameaças internas. Existem pessoas próximas a nós que nem sempre querem o nosso bem, apesar de agirem como tal.

Em relação à temática, as tirinhas de Gypsie falam sobre ilusões românticas, sacrifícios amorosos, suicídio, brevidade da vida, manipulação e chantagem emocional, razão/emoção e também sobre a tragicidade do amor.

Como reflexos da formação artística de Gypsie, e também como consequências de suas tendências ideológicas voltadas ao melodrama, as tirinhas abaixo têm um conteúdo tragicômico forte e podem causar reações emocionais indesejadas. No entanto, a causa maior é fazer refletir sobre como estamos administrando as dependências do nosso coração. Veja:

1. Algumas pessoas não se preocupam com o lugar onde seu coração está

gypsie raleigh_1

2. Visitas ao cemitério evocam boas memórias, mas também reavivam o luto

gypsie raleigh_2

3. Uma vida abandonada pode ter um destino melhor 

gypsie raleigh_3

4. Vale a pena sacrificar tudo por alguém que não se importa com seus sentimentos?

gypsie raleigh_4

5. Alguns ainda têm muito tempo de vida, mas quem sabe quanto?

gypsie raleigh_5

6. Há certas provações para aqueles que querem estar juntos

gypsie raleigh_6

7. Quem nunca foi emocionalmente manipulado?

gypsie raleigh_7

8. Tão perto e tão longe

gypsie raleigh_8

9. Existe razão nas coisas feitas pelo coração?

gypsie raleigh_9

10. Enquanto alguns querem se salvar, outros aceitam o próprio fim

gypsie raleigh_10

11. O amor tem um tempo determinado?

gypsie raleigh_11

12. Existem pessoas próximas a nós que nem sempre querem o nosso bem

gypsie raleigh_12

13. Esperanças trágicas

gypsie raleigh_15

14. Tirando sentido da perda

gypsie raleigh_14

15. Um coração para iluminar

gypsie raleigh_13

COMPARTILHE

RECOMENDAMOS



Eduardo Ruano
Profissional de pesquisa e texto. Eu me considero uma pessoa racional, analítica, curiosa, imaginativa e ansiosa. Gosto de ler, escrever, ouvir Thrash Metal e música eletrônica, assistir filmes e séries, beber e viajar com os amigos. Estudioso de filosofia, arte e psicologia. Odeio burocracias, formalismos e convenções. Amo pessoas excêntricas, autênticas e um pouco loucas, até certo ponto. Estou sempre buscando novas inspirações para transformar ideias em palavras.

COMENTÁRIOS