12 filmes europeus imperdíveis

Os filmes europeus são conhecidos por não serem muito conservadores. Muitos são ousados, complexos, polêmicos, instigantes e imprevisíveis. Os 12 filmes da lista estão entre os que se enquadram numa dessas definições, mas todos tem algo em comum: são imperdíveis!
Não estão em ordem cronológica, nem de preferência.

1. PERDAS E DANOS

Nacionalidade: Reino Unido / França

Com forte conotação erótica, o filme dirigido por Louis Malle conta a história de Stephen Flemming e Anna, interpretados por Jeremy Irons e Juliette Binoche. Ele um político conservador do alto parlamento inglês e ela a noiva do seu filho. Os dois se envolvem num tórrido romance proibido. Anna não quer deixar o futuro marido, nem Stephen quer um escândalo na sua carreira, mas a forte atração sexual que sentem um pelo outro não permite que eles se desliguem, mesmo conscientes de que seus atos serão devastadores para as pessoas que amam. Um ótimo filme que explora a complexidade humana e mostra que a paixão pode também levar a caminhos sem volta.

12- OS SONHADORES

Nacionalidade: França / Reino Unido / Itália

Dirigido pelo aclamado italiano Bernardo Bertolucci, o filme conta a história de três jovens (Michael Pitt, Eva Green e Louis Garrel) que mantêm um ardente romance. O americano Matthew vai para Paris aprender a língua local e conhece Isabelle e Théo, gêmeos franceses, com os quais começa a compartilhar sua paixão pelo cinema. Cada vez mais íntimos, os jovens iniciam uma série de jogos sexuais envolvendo temas do cinema. A história se passa em plena Revolução Estudantil da década de 60.

2

3- A VIDA DOS OUTROS

Nacionalidade: Alemanha

Um dos filmes mais bonitos do cinema. Dirigido por Florian Henckel von Donnersmarck, o filme conta a história de Georg (Sebastian Koch) um dramaturgo que vive na Alemanha Oriental. Apesar de não aparentar ser um perigo ao regime político do país, ele e sua namorada (Martina Gedeck) passam a ser monitorados 24 horas por câmeras escondidas no seu apartamento. O agente da Stasi, escolhido para o serviço de escuta clandestina, é Wiesler (Ulrich Mühe) que, mais tarde, se envolve com a vida do casal e tem um papel fundamental em seu destino. A humanização de Wiesler no decorrer do filme é tocante e o desfecho um dos mais emocionantes do cinema.

34- O FABULOSO DESTINO DE AMÉLIE POULAIN

Nacionalidade: França

Dirigido por Jean-Pierre Jeunet, o filme conta a história de Amélie, interpretada por Aundrey Tautou, desde o seu nascimento até a vida adulta. A morte da sua mãe, as manias do pai e um diagnóstico equivocado de problema cardíaco fazem parte da vida da pequena Amélie. Obrigada a permanecer por muito tempo dentro de casa por conta do falso problema no coração ela cria um mundo paralelo e fantasioso. Porém, adulta, Amélie descobre um novo sentido para a sua vida: ajudar as pessoas a serem felizes através de pequenos gestos. Cativante, lindo e sensível.

4

5- TUDO SOBRE A MINHA MÃE

Nacionalidade: Espanha / França

Dirigido por Pedro Almodóvar, o filme conta a história de Manuela (Cecília Roth), uma mãe solteira, cujo seu único filho morre atropelado ao tentar pegar o autógrafo de uma atriz (Marisa Paredes). Sabendo que o desejo do filho era conhecer o pai, Manuela inicia uma jornada de redenção a procura do ex-amante, uma travesti chamada Lola que desconhece a existência do filho. No caminho ela encontra a atriz que seu filho admirava e também uma jovem freira (Penélope Cruz) cheia de problemas. Um dos filmes mais emocionantes de Almodóvar.

5

6- ATA-ME

Nacionalidade: Espanha

Mais um de Pedro Almodóvar. O filme conta a história de Ricky (Antonio Banderas) que recém saído de um hospício resolve ir atrás de uma ex-atriz pornô, Marina Osorio (Victoria Abril), conhecida dele. Com ideia fixa na atriz ele invade o seu apartamento para que ela o aceite como amante e marido. Ao recusar tamanha loucura, ela é amarrada na cama por Ricky para aprender a gostar dele, mas diversos imprevistos darão novos rumos aos acontecimentos. É a melhor fase de Banderas. O filme, por sua vez, é irreverente, divertido e, sim, surpreendentemente romântico.

6

7. A ONDA

Nacionalidade: Alemanha
Dirigido por Dennis Gansel, o filme se passa em uma escola na Alemanha em que o professor Rainer Wenger (Jürgen Vogel) é convocado para dar aula de autocracia, mesmo sem estar muito disposto para tanto. Então ele resolve inovar em sala de aula ao sugerir aos seus alunos que criem de forma fictícia um governo fascista, cujo nome escolhido é “A Onda”. O “novo governo” criado passa a ter uniforme e uma saudação. A brincadeira começa a se propagar sem controle dando ares de um movimento real e fanático. Quando Wenger tenta dar fim “A Onda”, as coisas se complicam ainda mais. O despertar do torpor mostra aos envolvidos a tênue linha entre o certo e o errado. Essa reflexão é o ponto alto do filme.

78- SHAME

Nacionalidade: Reino Unido

Do aclamado diretor Steve McQueen, com atuação impecável de Michael Fassbender, o filme conta a história do publicitário Brandon que luta contra o vício em sexo. Os dias de Brandon são uma verdadeira maratona em busca de aventuras sexuais, através de pornografias, prostitutas e outros meios. Então sua irmã (Carey Mulligan) chega de surpresa para passar uns dias com ele, o que acaba por atrapalhar seu estilo de vida. A relação entre irmãos é perturbadora, assim como o filme. Aliás, as cenas de sexo não são nada eróticas, nem excitantes, mas incômodas. Brandon é escravo do seu vício e o sexo não é originário de um processo de sedução, mas da mera necessidade de uma mente em desequilíbrio.

8

9- O AMANTE DA RAINHA

Nacionalidade: Dinamarca

Dirigido por Nikolaj Arcel, o filme se passa no século XVIII e conta a história da jovem britânica Carolina Mathilde (Alicia Vikander) que se torna rainha da Dinamarca depois de casar com o perturbado e fragilizado rei Christian VII (Mikkel Boe Folsgaard). Por conta da doença do rei, o alemão Johann Struensee (Mads Mikkelsen) é escolhido como o médico da corte, momento em que se aproxima da rainha. O romance entre o médico e Carolina é retratado no filme, bem como a forma em que o casal, aproveitando-se da doença do monarca, assume o poder e inicia uma reforma no país. É a entrada do Iluminismo no norte da Europa. O idealismo político de Struensee também é muito bem destacado na história. A produção do filme é grandiosa.

910- ALABAMA MONROE

Nacionalidade: Bélgica

Dirigido por Felix Van Groeningen, o filme conta a história de Elise (Veerle Baetens) e Didier (Johan Heldenbergh) que se apaixonam apesar das diferenças de estilo de vida. Ele é um músico romântico e ela é dona de um estúdio de tatuagem. Mesmo assim o relacionamento floresce e eles têm uma filha, Maybelle (Nell Cattrysse), mas aos seis anos a criança adoece gravemente e os pais não conseguem lidar com a situação. Apesar do tema já ter sido bastante explorado em outros filmes, Alabama Monroe traz uma abordagem diferente sobre a triste situação. Não é um filme sobre superação, mas um filme sobre dor, sobre a maior de todas as dores.

1011- AZUL É A COR MAIS QUENTE

Nacionalidade: França

Dirigido por Abdellatif Kechiche, o filme mostra a passagem da adolescência até a vida adulta da jovem Adèle (Adèle Exarchopoulos). Adèle é uma garota de quinze anos que conhece e se apaixona por Emma (Léa Seydoux), uma artista plástica de cabelos azuis. As duas vivem um intenso relacionamento, retratado através de fortes cenas de sexo. Contudo, o filme nos fala sobre algo muito mais complexo do que o amor e o sexo entre duas mulheres. O filme nos fala sobre os conflitos, descobertas, escolhas e perdas na juventude. O filme nos fala sobre os percalços do amadurecimento.

1112- A FESTA DE BABETTE

Nacionalidade: Dinamarca

Filme dirigido por Gabriel Axel, conta a história da francesa Babete que fugindo da guerra vai viver numa pacata vila onde arruma trabalho de cozinheira e faxineira na casa de duas irmãs. Após anos de trabalho para a família, Babette ganha um prêmio e resolve preparar um jantar francês que transformará para sempre a vida dos moradores da vila. Não dá para contar muito sem antecipar o filme, mas é imperdível!

12

Veja também: 12 filmes europeus imperdíveis Parte 2.




COMENTÁRIOS