11 regras de ouro para dialogar com pessoas complicadas

Por Svetlana Roiz

É sempre possível chegar a um acordo. Até mesmo quando você acredita que os pontos de vista das pessoas são totalmente diferentes, seus interesses são incompatíveis e que encontrar um consenso não passa de um sonho.

Trazemos um artigo da terapeuta familiar Svetlana Roiz sobre as 11 regras que vão facilitar a compreensão mútua nas relações dentro da família e no ambiente profissional.

1- Antes de qualquer tipo de contato é preciso se concentrar, da mesma forma que se afinam instrumentos musicais antes de um show. Fique uma posição estável: sente-se ou fique de pé, de forma que sinta suporte e equilíbrio. Comporte-se como um adulto: fale apenas aquilo que é importante para você, que ocupa sua mente e do que você tem certeza. Não esqueça da razão pela qual está estabelecendo um diálogo com a pessoa. Há uma chance de que você seja provocado ou de que tentem ter envolver numa polêmica, então procure um ponto fixo diante de seus olhos, ou um detalhe da roupa (ou pense em algo especial). Isso ajudará você a manter um equilíbrio mental e a sensação de segurança.

2- Antes de começar uma conversa difícil com uma pessoa próxima a você, repita estas palavras: “Estou começando este diálogo para manter contato, para estar junto, e não para discutir“. Lembre-se que o diálogo não é uma batalha verbal, mas uma ferramenta para sintonizar diferentes pontos de vista. Quando você falar com uma criança, mantenha seu olhar no nível dos olhos do pequeno. E depois de uma conversa difícil, diga-a: ”Estou com você”.

3- As pessoas têm o direito de não acreditar em nós, de não nos amar, de não nos compreender e de discordar de nós. Temos de aguentar isso. As verdades são subjetivas. Busque no diálogo uma verdade absoluta, algo que una os dois pontos de vista, algo que esteja por trás das palavras. Isso só é possível conseguir mantendo a calma.

4-Cada qual tem direito à imperfeição, aos erros e às confusões, o que em nenhuma hipótese deve anular o respeito básico com o interlocutor. Lembre-se de que você também pode estar errado, deixe-se guiar. Se respeita a si mesmo, seus rivais e oponentes também irão te respeitar.

5- Cada um tem sua própria linguagem e sua velocidade de reação. Nós entendemos tudo o que escutamos de acordo com nossas experiências subjetivas, pelas quais sempre ’traduzimos’ as frases dos outros para nossa linguagem própria. Não tenha medo de voltar a perguntas. Dê tempo a si mesmo e a seu interlocutor para assimilar e ’digerir’ a informação. Concentre-se em você, expresse seus sentimentos e pensamentos em vez de supor o que pensa seu oponente.

6- Projetamos em nossos interlocutores os nossos pensamentos, sentimentos, desejos reprimidos; e eles também projetam em nós suas ideias. Aprenda a distinguir essas projeções e não permita que afetem sua autoestima.

7- Entendemos de imediato aqueles que estão ’na mesma frequência’ que nós. Use uma linguagem compreensível, mas não baixe a sua ’frequência’. Procure estar sempre na mesma altura dos seus interlocutores com uma ’frequência’ mais alta, mas não se rebaixe ao nível daqueles que querem provocar você.

8- Com pessoas agressivas, você precisa saber se retirar da discussão a tempo, e não levar suas palavras para o lado pessoal. Essas pessoas preferem falar com frases generalizadas, usando o pronome ’nós’ (evitando personificar o discurso), e sabem procurar os pontos mais vulneráveis. Ao entrar em contato com gente passivo-agressiva, que preferem falar nas suas costas e lançar palavras ameaçadoras quando você quer se retirar, procure não se deixar levar pelo sentimento de culpa e responsabilidade que esses tipos provocam. Depois deste tipo de contato, você precisa descansar e recarregar as baterias.

9- Não se rebaixe questionando suas qualidades pessoais, fale apenas sobre dados e acontecimentos. Na tentativa de avaliar o comportamento de alguém, surge a impotência como um último argumento. Se o diálogo se transforma numa disputa e você sente que já não está na mesma ’onda’ que seu alterado interlocutor, use seu senso de humor e inteligência. Lembre de alguma frase célebre. Por exemplo, como dizia Albert Einstein, “Existem apenas duas coisas infinitas: o universo e a estupidez humana. E eu nem tenho tanta certeza sobre o primeiro“.

10- Talvez o mais importante ao falar com uma pessoa seja apelar para sua maturidade e para o senso comum. Isto ajudará a evitar avaliações, provocações e reações desnecessárias. Diga mentalmente ao seu interlocutor ”Eu vejo você“, “Seus pensamentos e sua presença me importam, até mesmo se eu não estiver de acordo com você”.

11- É importante saber concluir um diálogo: ’obrigado’, ’até mais’, quaisquer tipos de palavras que soem sinceras no momento são adequadas. Analise suas conversas já acontecidas e tire delas algumas lições. Uma pessoa segura de si mesma fala abertamente de seus sentimentos, expectativas, agradece a conversa e sabe aceitar e fazer elogios.

Fonte: Incrível

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS