10 sexismos do dia-a-dia e o que você pode fazer a respeito deles

Por 

As pesquisas mostram que a maioria das pessoas não enxerga o sexismo nem mesmo quando ele está diante de seus narizes.

“As mulheres endossam crenças sexistas, pelo menos em parte, porque não prestam atenção nas formas sutis e agregadas de sexismo em suas vidas pessoais”, escreveram Julia C. Becker e Janet K. Swim, autoras deste estudo sobre a invisibilidade do sexismo. “Muitos homens não só não prestam atenção para esses incidentes como também tendem a não considerar incidentes sexistas uma forma de discriminação potencialmente perigosa para as mulheres.”

O que você pensa desses dez exemplos e como responderia a eles?

SEXISMO

1. Sexismo religioso e discriminação

Você realmente acredita que as mulheres não têm a capacidade de ter autoridade religiosa? Esse silenciamento ritualístico das mulheres é praticado por basicamente todas as grandes religiões. Com raras exceções, elas proíbem que mulheres e meninas ocupem cargos de liderança ministerial. Isso significa que o acesso ao divino é mediado exclusivamente pelos homens e por seu discurso. Isso é uma discriminação que nunca foi contestada legalmente, e seu efeito vai muito além dos lugares de culto e de suas práticas. A partir do momento em que uma garota se dá conta de que não é convidada a participar de rituais clericais porque ela é uma garota, ela descobre que sua voz não tem força e não é respeitada. O mesmo vale para os garotos à sua volta. Mas, ei, pelo menos minamos o bem geral do público com nosso dinheiro, por meio de isenções fiscais e subsídios. E se você se opusesse? E parasse de apoiar essa discriminação?

2. Dois pesos e duas medidas

Convivemos com um número infinito de situações em que dois pesos e duas medidas em relação ao gênero são parte fundamental da hierarquia. Isso restringe a liberdade das mulheres e prejudica nossa capacidade de termos vidas seguras, gratificantes e autônomas. 50 dessas situações são exploradas no novo livro de Jessica Valenti, He’s a Stud, She’s a Slut (Ele é um garanhão, ela é uma vadia, em tradução livre). Elas vão da expectativa de que meninas demonstrem mais autocontrole e educação aos tratamentos absurdamente diferentes dispensado a homens e mulheres quando eles envelhecem e quando usam seus corpos para se expressar, passando pelas ideias distorcidas sobre as habilidades “naturais” de meninos e meninas.

3. O cavalheirismo, também conhecido como sexismo benevolente, é parte das nossas “boas maneiras”

Uma coisa é um homem que abre a porta para você e não se importa se você fizer o mesmo para ele. Mas um homem que recusa categoricamente sua cortesia é sinal de um problema muito maior. O sexismo benevolente, aquele que se passa por “protetor” e “cavalheiro”, é uma característica central da construção da masculinidade (e, por contraste binário, da feminilidade) nas culturas conservadoras. Estudos têm mostrado que, quanto mais as pessoas se julgam merecedoras de algo, mais chances elas têm de ser sexistas – o que diz muito a respeito das #MulheresContraoFeminismo. Isso se define como “a consequência negativa das atitudes que idealizam as mulheres como objetos puros, morais e santificados, diante da adoração, proteção e provisão dos homens”. Muito disso vem da infância, escondido sob o manto das ideias de que meninas e meninos devem ser “damas” e “cavalheiros”, em vez de simplesmente seres humanos civis e bondosos, que se preocupam igualmente uns com os ouros. Em outras palavras, o que muita gente acredita ser cavalheirismo ou o comportamento de um “homem de verdade”. Os efeitos negativos nas mulheres são muito bem documentados, especialmente no ambiente de trabalho.

Existe uma correlação bem documentada entre o sexismo benevolente e a aceitação dos papéis de gênero enviesados por parte das mulheres. Considere as maneiras como se expressa a negação da existência da diferença salarial entre homens e mulheres. Por exemplo, Phyllis Schlafy recentemente anunciou que diminuir esa distância (que ela admite ser real) significaria que as mulheres ficariam impossibilitadas de encontrar maridos. Ideias como essa são profundamente ligadas ao apoio sistêmico de um funcionário ideal, homem, responsável por ganhar o pão sozinho. Essa ideia é tema recorrente nas políticas conservadoras de trabalho e gênero.

Não enxergar sexismo onde ele é evidente permite que as pessoas com poder possam especular em voz alta que “o dinheiro é mais importante para os homens” sem perder o emprego por incompetência. Quero que você imagine um político hoje em dia dizendo que o dinheiro é mais importante para os judeus. Ou para os negros. Ou para as pessoas mais altas. A diferença de salários entre homens e mulheres chega a 431 000 dólares ao longo de uma vida. Os homens ganham menos que as mulheres somente em 7 de 534 tipos de emprego (http://www.bls.gov/cps/cpswom2011.pdf), então, obviamente, o republicano do Tennessee Lamar Alexander queria saber recentemente o que uma legislação sobre o tema poderia fazer para ajudar as mulheres. Os sexistas benevolentes são definitivamente hostis ao sucesso das mulheres no trabalho. Se não contestarmos essa forma silenciosa de sexismo estamos garantido que ela será recompensada. Quanto vale o cavalheirismo para você? Porque, no fim das contas, você pode abrir as portas você mesma. Dar-se um aumento, por outro lado, é impossível.

4. O alto custo de “manter-se segura”

Diariamente as mulheres absorvem e pagam o preço da diferença nos níveis de segurança. Essa diferença custa tempo e dinheiro e limita nossos movimentos. Pode limitar nossas oportunidades de emprego, porque alguns empregos podem ser perigosos se você for mulher. É só perguntar para repórteresmotoristas de caminhão,imigrantes e ativistas.

Homens, perguntem-se a si mesmos: vocês se sentem seguros nas ruas de seus bairros? Vocês têm de tomar cuidado na escolha do lugar e dos horários onde vão fazer compras ou quando vão usar transporte público? Têm estratégias paraestacionar o carro, como longe de vans, por exemplo? Vocês usam chaves como armas ou tomam algum tipo de medida semelhante? Vocês evitam pagar uma academia porque podem se exercitar ao ar livre tranquilamente? Ensinamos para nossas crianças que essas coisas são normais e esperadas. Fale com seus amigos do preço que
é cobrado de você.

5. O sexismo na mídia é divertido.

A mídia “de família” marginaliza e objetifica meninas e mulheres, cria ideais de masculinidade danosos para os meninos e sustenta mitologias que apoiam o status quo violento dominado pelos homens.

Não só convivemos com essa mídia, mas a maioria das pessoas, apesar de genuinamente preocupada com o bem-estar e com o futuro de seus filhos, não exigem ativamente que as empresas de entretenimento ou mídias relacionadas façam melhor. Quando você vê um filme e há 20 homens para cada mulher (normalmente só uma ou duas) na tela você diz alguma coisa? Você pensa no fato de que são 20 vezes mais empregos na tela para homens? Ou o que esse desequilíbrio significa na tela e por trás dela?

6. Pagamos mais pelos “nossos” produtos só porque somos mulheres e consideradas não-standard.

Um artigo da Jezebel colocou a questão da seguinte maneira uns anos atrás: “Nascer mulher é um grande erro financeiro”. A Marie Claire publicou uma lista parecida. Até recentemente, o seguro diferenciado por gênero, que resultava em mulheres pagando 31% a mais por coberturas, era perfeitamente legal. Acha que estou brincando? Eis um pacote de 10 canetas esferográficas Bic por 5,89 dólares. Eis o pacote de 10,14 dólares, com seis unidades, “para ela”. Pare de comprar essa m*rda.

7. Nossa linguagem é profundamente enviesada, relacionada com nossa estrutura social, e isso afeta como pensamos.

Usamos pervasivamente os genéricos masculinos, e isso tem efeitos negativos. Eu o faço o tempo todo – não consigo me livrar do hábito de falar “caras”. Ainda usamos palavras masculinas para denotar categorias positivas, como “humanos”, mas termos femininos para categorias negativas, como “vadias”. Não falamos seriamente com nossos filhos sobre os problemas sociais causados pelo termo “vadia” (bitch), mesmo quando usado afetuosamente. Mulheres são frequentemente chamadas de “meninas” (infantis e dependentes), e os homens, de “homens”. Isso é parte do problema maior da infantilização das mulheres adultas. É mais provável que se refiram a nós como animais. E há outros exemplos. Palavras são importantes – porque, no mínimo, elas mostram a relação dinâmica entre as ideias. Pode parecer trivial até você saber que no Japão há termos de gênero para todos os três pronomes, enquanto os países nórdicos estão tentando introduzir termos neutros. Por que isso é importante? Bem, o Japão é o lugar com a menor paridade entre homes e mulheres no trabalho, enquanto os nórdicos têm a maior. Não estou sugerindo uma relação de causa e efeito, apenas correlações culturais significativas às quais não estamos imunes.

8. O preconceito contra os homens inibe a igualdade.

Já vi mulheres em parque tirando bebês das mãos dos pais para que elas trocassem as fraldas, pois os homens “não são bons nesse tipo de coisa”. Ou então você já ouviu homens se referindo a si mesmos como “babás” de seus filhos, ou viu comerciais na TV que retratam os homens como idiotas incompetentes na hora de tomar conta da casa. Mais perigoso, entretanto, é a repetição dos mitos do abuso e do estupro que ameaça meninos e homens ao perpetuar as ideias discriminatórias sobre quem são as vítimas de estupro – mulheres bêbadas que estão pedindo para ser abusadas ou que cometem o erro de andar em ruas escuras.

9. Fingimos que o assédio nas ruas não existe ou não importa

Arriscaria dizer que pouca gente fala com suas filhas, ou filhos que não se conformam aos seus gêneros, sobre o assédio das ruas. O efeito desse tipo de assédio não pode ser subestimado.

10. Permitimos que nossas escolas ensinem conteúdos sexistas e perpetuem sistemas hierárquicos de organização baseados no sexismo.

Primeiro, nosso sistema educacional apaga as contribuições históricas das mulheres, não oferece um retrato preciso do passado e não mostra casos suficientes de mulheres exemplares. As meninas vão para a escola com ambição e segurança, mas saem dela muito diferentes.

Segundo, as escolas estão cheias de normas sociais que, se inexploradas, minam a diversidade e a igualdade, por exemplo, a questão dos uniformes.

Terceiro, muitas se mantêm estruturalmente baseadas em modelos complementares para homens e mulheres, dos conselhos, que tendem a ser comandados por homens (porque, afinal de contas, é onde acontece o trabalho duro e que envolve dinheiro), às atividades voluntárias das associações de pais e mestres (essencialmente executadas por mulheres). A administração das escolas e os cargos de técnicos esportivoscontinua a ser um reduto dos homens numa indústria, a educação, que é composta em sua maioria por mulheres. As crianças, então, estão imersas em ambientes educacionais que continuam a deixar de lado o trabalho histórico das mulheres, que sexualizam as meninas com suas regras antiquadas sobre aparência e moralidade, que oferecem exemplos de estruturas sociais hierárquicas baseadas em gêneros. São ambientes que comprovadamente fracassaram na tarefa de serem justos, prejudicando tanto meninos como meninas.

Quando eles e elas saem do ensino médio e entram na faculdade, os meninos têm duas vezes mais probabilidade de se considerar prontos a disputar eleições. Conheço professores que trabalham duro para tentar anular esses efeitos, mas, enquanto instituições, muitas de nossas escolas continuam muito patriarcais. E se você desafiasse sua escola a tornar uma prioridade a atenção às questões de gênero, em vez de driblar sintomas como homofobia e bullyingproblemas de matemática e mais?

***

Essa é uma lista curta. Deixando de lado os danos físicos reais que as pessoas podem encontrar, e de fato encontram, conviver com o sexismo cotidiano é como combater uma infecção de baixa gravidade durante toda a sua vida. Quando as mulheres notam o sexismo em suas vidas diárias – por exemplo, falando abertamente do assédio que sofrem nas ruas ou dos preconceitos que sofrem no trabalho – e dão a ele seu nome verdadeiro, elas param de aceitá-lo como algo “normal”. Para as políticas que têm de lidar com comentários enviesados e com adversários políticos muito à vontade em seus “clubes do bolinha”, confrontar o sexismo abertamente funciona. Quando os homens começam a prestar atenção, quando eles pensam nas diferenças, eles criam empatia. É o primeiro passo para entender, como diz Jamie Utt, que “em sua forma atual a masculinidade é fundamentalmente uma expressão da opressão patriarcal”. Mas, antes que isso aconteça, as mulheres têm de contar suas histórias e as pessoas têm de ouvi-las e entender por que elas são importantes. As atitudes culturais prevalecentes continuam a minimizar os danos de gênero.

Mas as mulheres estão claramente numa sinuca de bico, pois denunciar o sexismo pode significar penalidades reais. Um estudo recente mostrou algo deprimente que todos sabemos: as mulheres que defendem a igualdade no trabalho, por exemplo, são penalizadas (http://blogs.wsj.com/atwork/2014/07/21/women-penalized-for-promoting-women-study-finds/) por fazê-lo.

O triste fato é que é educado expressar ideias sexistas, mas confrontá-las é falta de educação e falta de senso de humor. Essa proibição é um impedimento significativo para mudanças positivas e cotidianas. Quando um homem numa festa do bairro faz um comentário rude sobre meus seios ou quando um outro me interrompe incessantemente numa reunião, sou eu, não eles, a pessoa hostil, “estridente” e desagradável por dizer “Minha cara está aqui em cima” ou “Você poderia parar de me interromper, por favor?”

A verdade é que estamos envolvidos num grande processo de geração de consciência que requer que todos olhem para o papel do sexismo em suas vidas. Você o reconhece quando ele se manifesta? E o que você faz a respeito dele?

***

FONTE MAIS DO QUE INDICADA: Brasil Post

___________________________________________________________________________________

Precisa de ajuda?

Leia essa informação importante

Vocês sabiam que serviços psicológicos podem ser realizados através da internet desde que atendam ao Código de Ética Profissional do psicólogo e à Resolução do CFP n.º 11/2012?

Abaixo compartilho um site confiável sobre o assunto para quem quiser conhecer e obter mais informações sobre os serviços. Compartilhem também, pois vocês podem ajudar alguém que não tem condições de se locomover com facilidade, esteja em locais distantes ou mesmo queira otimizar seu tempo através do uso da internet.

http://www.apsicanalistaonline.com.br/

_____________________________________________________________________________________

Você achou esse conteúdo relevante?

Compartilhe!

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS