10 atitudes dos pais que prejudicam a autoestima dos filhos

Não é que todo o preparo ao longo da gestação se mostre inútil e sem efeito. Acontece que a experiência de criar uma criança nem sempre é tão simples como nos livros e filmes. Os pais precisam lidar com os próprios medos, frustrações e enganos, sem esquecer que aquela nova vida é de total responsabilidade deles.

É aí que os hábitos se transformam em uma válvula de escape para a cobrança a que os pais se sentem expostos. O problema é que os pequenos acabam sendo afetados, muitas vezes, de forma direta pela postura dos adultos, ainda que a intenção seja das melhores.

“Pais precisam tomar muito cuidado porque os filhos são como esponjas. Eles reproduzem o comportamento dos adultos, sem nenhum critério. Na fase adulta, podem precisar de ajuda profissional e terapia para trabalhar esse conflito com a própria identidade”, alerta Allessandra Ferreira, consultora comportamental. Segundo ela, os hábitos negativos dos pais acabam limitando o desenvolvimento dos filhos.

atitudes-prejudicam-autoestima-filhos-10

1. Comparar com os irmão, outras crianças, primos ou amigos

Talvez os pais não percebam como suas atitudes influenciam diretamente o comportamento das crianças. Mesmo que seja uma ação não intencional, que de fato é o mais comum. No livro ” As Crianças Aprendem o Que Vivenciam (ed. GMT)”, os autores Dorothy Law Nolte e Rachel Harris contam que ao comparar o filho com outra criança, por exemplo, a mãe começa a magoar a identidade da criança e aos poucos retira sua espontaneidade.

2. Fazer chantagem emocional

“Só vou te dar o doce se disser que me ama”, “Se não ficar bonzinho, não volto para te buscar na escola”. A criança entende que a conquista vem ligada a uma troca, ou ainda que precisa abrir mão de um desejo ou vontade para agradar outra pessoa. “Chantagem emocional é a pior linguagem possível, pois ela aprende a negociar por meio de uma figura de autoridade que a ameaça”, explica o psicólogo João Alexandre Borba.

3. Ser superprotetora

Você não deixa seu filho brincar no parquinho por medo de doença? Qualquer situação te leva a brigar por ele na escola? “A superproteção elimina a dificuldade da criança em criar suas próprias habilidades, em ir para o mundo como um adulto capaz de solucionar seus problemas. O excesso de proteção deixa o filho dependente, frágil e mimado”, alerta João.

4. Elogiar exageradamente

“Elogiar demais cria uma percepção distorcida da identidade real”, explica o profissional. Além de forçar situações para ser elogiada pela família e também desejar atenção de estranhos, a criança pode se sentir carente de elogios constantes por situações em que não seriam coerentes. Evite fazer disso uma rotina, use o agrado com moderação mesmo sabendo que seu filho (a) é o “mais lindo do mundo”

5. “Comprar” a criança com presentes e agrados para suprir necessidades

Apesar de parecer uma solução imediata para o problema, encher a criança de presentes e agrados não é a melhor saída para remediar uma necessidade. A ideia é que ela não perceba a falta de algo ou alguém, mas a situação gera um sentimento de vazio enorme. “Ela aprende que o “ter” passa a ser mais importante que o “ser”, e daí constrói uma personalidade focada mais em conquistas materiais”, conta o psicólogo.

6. Não conseguir dizer “não” e deixar a criança fazer tudo que deseja

Deixá-la à vontade para desejos e decisões é um erro que reflete em seu futuro. “Não saber dizer ‘não ‘cria um sentimento péssimo de “falso poder”‘, diz João. Além do mais, a criança passa a achar que tudo é possível e perde o respeito por futuras figuras de autoridade, como professores e chefes. Ouvir não é doloroso, mas um aprendizado necessário. “Muitos pais tem medo de que os ‘nãos’ interfiram negativamente na vida da criança, mas se essa negativa for acompanhada de carinho, argumento e explicação vai fazer do seu filho um adulto mais convicto. É tão importante na educação quanto o sim “, conta Maria Eduarda Vasselai, psicóloga infantil.

7. Ser ausente e não participar dos principais momentos

A criança necessita dos pais presentes para não se sentir desamparada ou sozinha. “E não é só fisicamente, mas no crescimento e nas decisões dos filhos. Os reflexos na autoestima podem ser diretos. Quem se sente sozinho, se sente inseguro. E a insegurança é um passo fundamental para a baixa autoestima”, explica Mari Eduarda. Programe uma tarde divertida, um passeio gostoso ou uma viagem cheia de brincadeiras. Participe mostrando interesse nas atividades e deixe os momentos serem lembrados com bastante carinho. “Uma dica simples é que os pais evitem perguntas cujas respostas sejam ‘sim’ ou ‘não’. Por exemplo, em vez de perguntar ‘a escola foi legal hoje?’, pergunte ‘o que aconteceu de mais legal hoje’?, ensina.

8. Fingir que o filho nunca erra para poupá-lo

É preciso deixar claro que todas as pessoas erram. O ideal é não poupar a criança e apresentar a situação com clareza e correção, se for preciso. “A questão é saber apontar o erro para ela, mostrar o que foi errado e o porquê daquilo”, ensina o psicólogo. “Quem finge que o filho nunca erra, acaba não ensinando. Principalmente em comportamentos como mentir, não deixar o colega brincar com os seus brinquedos ou mesmo pequenas, como tapas ou mordidas”, completa Maria Eduarda.

9. Falar uma coisa e fazer outra em atitudes

A melhor forma de ensinar é influenciar usando bons exemplos, e não com regras ou avisos que entrem por um ouvido e saem pelo outro. Demonstre para a criança o que é correto usando palavras positivas, e lembre-se de agir de acordo com o que foi dito para que ela não perca a referência. “Credibilidade pode ser uma palavra difícil de falar, mas é bastante fácil de perceber”, lembra a psicóloga. De nada adianta pedir que trate bem as pessoas se sair agredindo verbalmente o porteiro, o vizinho ou discutindo no trânsito, por exemplo.

10. Prometer e não cumprir

É muito importante para a criança ter uma promessa atendida pelos pais. Por isso, redobre os cuidados e não diga nada além do que estiver ao seu alcance. Assim vai preservar a sua credibilidade. “Prometer e não cumprir gera falsas expectativas e tira a confiança. Na visão dela, se não puder confiar neles, o mundo passa a ser um local a se temer”, explica João.

Fontes indicadas: M de mulher, Delas

___________________________________________________________________________________

Precisa de ajuda? Consulte um psicólogo.5 palavras que você deveria tirar do seu dicionário

Leia essa informação importante

Vocês sabiam que serviços psicológicos podem ser realizados através da internet desde que atendam ao Código de Ética Profissional do psicólogo e à Resolução do CFP n.º 11/2012?

Abaixo compartilho um site confiável sobre o assunto para quem quiser conhecer e obter mais informações sobre os serviços. Compartilhem também, pois vocês podem ajudar alguém que não tem condições de se locomover com facilidade, esteja em locais distantes ou mesmo queira otimizar seu tempo através do uso da internet.

http://www.apsicanalistaonline.com.br/

COMPARTILHE
CONTI outra
As publicações do CONTI outra são desenvolvidas e selecionadas tendo em vista o conteúdo, a delicadeza e a simplicidade na transmissão das informações. Objetivamos a promoção de verdadeiras reflexões e o despertar de sentimentos. Sejam sempre bem-vindos! Josie Conti



COMENTÁRIOS